A importância do movimentar-se para a vida humana: aspectos históricos, educacionais e do cotidiano


Dissertação apresentada à Universidade Presbiteriana Mackenzie como requisito obrigatório para obtenção
do título de mestre em Educação, Arte e História da Cultura.
Autor: Fabio Marchioreto
Ano: 2014 http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1928/1/Fabio%20Marchioreto.pdf

RESUMO

Este trabalho trata da importância do movimentar-se para a vida humana com o objetivo de qualificar as experiências escolares de jovens relacionadas ao que aprenderam na escola e permaneceu em suas vidas cotidianas; o que destas experiências significou a aprendizagem de conhecimento relativo ao movimentar-se na perspectiva históricoevolutiva da humanidade e suas projeções para o futuro (biocibernética). Fundamentouse teoricamente em ideias de alguns autores, como José Guilmar Mariz de Oliveira, Go Tani, Edison de Jesus Manoel sobre a Cinesiologia Humana, Richard Dawkins, Richard Foley, Jared Diamond, Richard Leakey e a História Evolutiva, Michel de Foucault, Edgar Morin sobre os aspectos relacionados a Educação Escolar e o paradigma simplificador, disciplinador e dualista. A pesquisa seguiu as diretrizes do método fenomenológico de investigação ao registrar a fala e os gestos de alunos que estão terminando a Educação Escolar Básica na cidade de São Paulo. A reflexão realizada a partir da análise dos dados evidenciou uma dificuldade dos alunos na articulação das respostas relacionadas ao movimentar-se na história da cultura, mostrando falta de repertório para lidar com o tema. Com relação ao futuro projetaram uma situação paradoxal entre o movimentar-se e a cibernética, ao apontar benefícios como a recuperação da locomoção bípede por um lado e por outro ao identificar o futuro da relação humano-máquina como algo sombrio através da crescente sedentarização humana. Com relação ao movimentar-se no ambiente escolar os alunos identificaram uma dicotomia entre a quase ausência de movimento nas aulas que acontecem na sala de aula e o movimentar-se nas aulas de Educação Física, porém, ao qualificar as experiências relacionadas às aulas de Educação Física, interpretaram este componente curricular como desarticulado do compromisso de ensinar conhecimentos conceituais, procedimentais e atitudinais, o que pouco ou quase nada contribui para suas vidas cotidianas.

Palavras-chave: 1. Movimentar-se. 2. Bipedalismo. 3. Evolução. 4. História. 5. Cinesiologia humana. 6. Educação escolar. 7. Currículo